Perda da visão com o envelhecimento: saiba o que é DMRI

A nossa visão também envelhece e um dos sintomas do passar do tempo é a perda da visão. Uma das doenças que podem levar a esse quadro é a Degeneração Macular Relacionada à Idade, a DMRI. Cerca de 100 mil novos casos do distúrbio são diagnosticados todos os anos no Brasil, principalmente na população com mais de 55 anos. Neste blog vamos te contar o que é a DMRI, os principais sintomas, tratamentos e como prevenir a doença.

O QUE É A MÁCULA E COMO OCORRE A SUA DEGENERAÇÃO

A mácula é uma pequena área da retina responsável por dar forma aos detalhes. Ela é essencial para que a gente consiga ler, reconhecer rostos e perceber as cores. Isso só é possível porque nessas estruturas existem células sensíveis à luz que convertem a luminosidade em imagem. 

Mas quando e porquê ocorre a degeneração da mácula? Bom, é preciso entender que os nossos olhos também envelhecem. Esse processo natural pode comprometer a mácula, afetando a visão central. O resultado é o embaçamento da imagens e a formação de manchas escuras em parte da visão, principalmente no centro. 

A Degeneração Macular Relacionada à Idade é uma das principais causas de cegueira na população acima de 55 anos e por isso precisa de atenção e cuidados, principalmente na prevenção e no diagnóstico, já que a doença costuma ser assintomática. 

A DMRI provoca a perda gradual da visão, atrapalhando atividades simples do dia a dia como ler ou dirigir, afetando diretamente a qualidade de vida dessas pessoas. 

SAIBA MAIS NO BLOG: Você sabe o que é degeneração macular?

CONHEÇA OS TIPOS DE DEGENERAÇÃO MACULAR 

A DMRI é uma doença silenciosa e pode se manifestar em dois tipos distintos, a degeneração macular atrófica ou seca; e a degeneração macular exsudativa ou úmida. Ambas causam a perda de visão, mas elas se diferem pelo grau de complexidade e velocidade no comprometimento da visão.

Degeneração macular atrófica ou seca 

É o tipo mais frequente da doença – cerca de 90% dos casos – e acontece pelo envelhecimento e afinamento dos tecidos da mácula. A perda de visão ocorre gradualmente, o que faz com que a pessoa conviva durante anos com a doença sem perceber que há algo errado.

A DMRI atrófica ocorre quando há o depósito de restos celulares no fundo do olho, formando pequenos cristais – as drusas. Essas estruturas podem causar a degeneração da mácula ao destruírem os fotorreceptores da retina, resultando na perda da visão. 

Degeneração macular exsudativa ou úmida

A forma exsudativa ou úmida da doença é o tipo mais agressivo e preocupante, afetando cerca de 10% dos pacientes acometidos pela DMRI. O distúrbio é perigoso porque ele é caracterizado pelo vazamento de fluidos ou sangue pelos vasos sub-retinianos. 

Isso acontece porque nesse tipo de DMRI são formados novos vasos sanguíneos irregulares abaixo da retina, aumentando os riscos de escoamento de fluidos e sangue. Quando isso ocorre, a perda da visão é rápida, sem tempo para que haja tratamento.

MAS COMO A DMRI SE DESENVOLVE?  

Apesar de comum na população acima de 55 anos, ainda não se sabe as razões exatas para o desenvolvimento do distúrbio. Porém, sabe-se que a DMRI é uma doença com causas multifatoriais. Além dos riscos genéticos, alterações metabólicas e ambientais e o envelhecimento natural do corpo podem influenciar no surgimento do distúrbio. Outros motivos podem causar a doença, como: 

  • Ter idade acima de 55 anos; 
  • Ter casos da doença na família; 
  • Ter pele e olhos claros; 
  • Estar obeso; 
  • Ser fumante; 
  • Ter uma alimentação pobre em hortaliças, frutas e verduras; 
  • Sofrer de hipertensão arterial e diabetes;
  • Se expor excessivamente ao sol.

COMO PERCEBER OS SINAIS DA DEGENERAÇÃO MACULAR

Em boa parte dos casos, a DMRI é assintomática. Muitas vezes a doença é diagnosticada no consultório do médico Oftalmologista, porém alguns sinais podem chamar a atenção do paciente, como:

  • Visão central embaçada; 
  • Dificuldade de adaptação em ambientes com pouca luz;
  • Queda na capacidade de reparar detalhes;
  • Redução da intensidades das cores;
  • Visão turva e confusa;
  • Dificuldade para reconhecer rostos;
  • Formação de manchas escuras no centro da visão;
  • Surgimento de pontos cegos;
  • Perda gradual da capacidade de enxergar;
  • Dificuldade para ler.

COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO DA DOENÇA?

Como falamos nas páginas anteriores, muitos casos de degeneração macular são assintomáticos e o paciente só percebe que há algo errado quando a visão já está bem comprometida. Por isso é essencial que as consultas com o médico Oftalmologista sejam feitas regularmente. Alguns exames também podem auxiliar o diagnóstico da doença, como: 

  • Angiografia com Fluoresceína: o exame utiliza corantes aplicados por injeção venosa para analisar o fundo do olho e os vasos sanguíneos, buscando e localizando anomalias na retina.
  • Tomografia de Coerência Óptica: para esse exame é utilizada a técnica interferometria de baixa coerência. Com ela é capaz de medir os tecidos biológicos e analisar se há alterações na retina.

Em casos de suspeitas de DMRI é importante buscar um profissional especializado em retina. É ele quem irá pedir exames mais detalhados para analisar a mácula e toda a estrutura afetada pela doença.

COMO É O TRATAMENTO?

Os tratamentos para DMRI não são os mesmos para todos os casos. Cada tipo da doença pede uma abordagem diferente, porém o importante em ambos os casos é diagnosticar o problema ainda no início para que ela seja cuidado da melhor maneira. 

Para os casos de DMRI seca, o tratamento passa pela boa nutrição do paciente. Uma dieta rica em alimentos antioxidantes, em vitaminas C e E, betacarotenos, ômega 3, zinco e ácidos graxos é muito importante para o combate da doença. Além disso, evitar a exposição solar e apostar em castanhas, linhaça, trigo, ovos e óleo de girassol também podem fazer parte do tratamento. 

Já na DMRI úmida, o combate se dá através de medicamentos intraoculares. O tratamento é feito com injeções no globo ocular e tem por objetivo combater a formação do vasos irregulares. 

PREVENÇÃO: PROTEJA OS SEUS OLHOS DA DMRI

A melhor forma de prevenir o desenvolvimento da Degeneração Macular Relativa à Idade é visitar periodicamente o seu médico Oftalmologista. É com os exames de consultório e também com as análises mais complexas e aprofundadas que o especialista será capaz de identificar alterações na mácula. Desse jeito, é possível diagnosticar a doença ainda no início, sem que haja comprometimento da visão. 

Porém algumas atitudes podem diminuir os riscos do desenvolvimento da DMRI, como: 

  • Não fumar; 
  • Manter o peso em dia; 
  • Fazer atividade física regularmente; 
  • Ter uma dieta saudável e balanceada; 
  • Evitar alimentos gordurosos; 
  • Cuidar da pressão arterial;
  • Evitar a exposição excessiva à luz solar. 

A prevenção ainda é a melhor forma de se proteger contra a DMRI e manter a saúde dos seus olhos em dia e a sua visão na melhor forma.

Apesar da informação, esse material não dispensa a orientação e uma boa conversa com o médico Oftalmologista. Por isso, se você já passou dos 55 anos, possui histórico familiar de DMRI ou deseja manter a saúde dos seus olhos em dia, marque uma consulta na UPO Oftalmologia