Perda de visão: doenças que podem causar cegueira

Do total da população brasileira, 23,9% (45,6 milhões de pessoas) declararam ter algum tipo de deficiência. Entre as deficiências declaradas, a mais comum foi a visual, atingindo 3,5% da população, ou seja, 1,6 milhões de pessoas. Mas o que provoca a perda de visão?

Segundo a Organização Mundial da Saúde, as principais causas de cegueira no Brasil são: catarata, glaucoma, retinopatia diabética, cegueira infantil e degeneração macular.

Dados do IBGE de 2010, no Brasil, apontam que entre as mais de 6,5 milhões de pessoas com alguma deficiência visual:

  • 528.624 pessoas são incapazes de enxergar (cegos);
  • 6.056.654 pessoas possuem baixa visão ou visão subnormal (grande e permanente dificuldade de enxergar);

Outros 29 milhões de pessoas declararam possuir alguma dificuldade permanente de enxergar, ainda que usando óculos ou lentes. A expectativa é que, até 2050, esse índice chegue a triplicar com o aumento e envelhecimento da população mundial.

A velhice causa cegueira?

Embora pese bastante, o envelhecimento não é a única explicação para esse boom. A expansão de alguns problemas sistêmicos (pressão alta, diabetes…), maus hábitos (cigarro, sedentarismo…) e até o uso indiscriminado de remédios (inclusive colírios) têm lá sua parcela de culpa.

Doenças que causam perda de visão

Degeneração macular relacionada à idade (DMRI)

A DMRI é a principal causa de cegueira em pessoas acima de 50 anos. Ela provoca uma lesão e desgaste na parte central da retina, chamada de mácula, o que deixa a visão embaçada e faz surgir uma mancha central escura.

Glaucoma

O glaucoma é um grupo de condições oculares que danificam o nervo óptico, vital para uma boa visão. Esse dano geralmente é causado por uma pressão anormalmente alta no olho. O glaucoma é uma das principais causas de cegueira no mundo. Pode ocorrer em qualquer idade, mas é mais comum em adultos mais velhos.

Se não tratado, causa dano permanente ao nervo e perda de visão. O glaucoma é uma doença que não possui um tratamento curativo, mas pode ser controlado com o uso de colírios específicos, comprimidos e até com a realização de uma cirurgia anti-glaucomatosa. 

Retinopatia diabética

A retinopatia diabética surge em pacientes com diabetes, principalmente quando a glicemia não está controlada. Nela, o aumento de concentração de glicose no sangue ocasiona alterações na parede dos vasos sanguíneos da retina, causando vazamento e sangramento no local.

No estágio inicial, a doença geralmente não apresenta sintomas. Porém, com sua progressão, a pessoa afetada passa a queixar-se da percepção de manchas, visão embaçada, perda de campo visual periférico ou central e, sem tratamento, até mesmo cegueira.

Descolamento de retina

Responsável por transformar o estímulo luminoso em estímulo nervoso, a retina é a membrana que reveste internamente a parte posterior do globo ocular.

Traumatismos, inflamações ou algumas doenças como a diabetes podem levar ao descolamento da retina. Os sintomas que caracterizam o descolamento são:

  • visão turva e embaçada;
  • percepção de faíscas/ flashes de luzes no campo de visão;
  • moscas volantes:
  • perda súbita da visão.

O descolamento de retina é uma emergência oftalmológica. Para evitar perda da visão, é preciso tratá-lo o mais rápido possível. Existem diversas formas de se fazer isso. No entanto, na maioria dos casos, o tratamento é cirúrgico através da vitrectomia posterior.

Catarata

Localizado atrás da pupila, o cristalino é considerado a lente natural do olho. É a passagem de luz do cristalino para a retina que permite que as imagens sejam transmitidas para o cérebro e, dessa forma, possamos enxergar.

A catarata é geralmente causada pelo envelhecimento. Nesta doença, o cristalino, localizado atrás da pupila, se torna mais opaco o que impede a passagem de luz para a retina. A progressão da doença pode levar a perda da visão. 

Ainda nos dias atuais, é a principal causa de cegueira no mundo. Contudo, a cegueira causada pela doença pode ser revertida com cirurgia. 

Os principais sintomas da catarata são: perda da acuidade visual, não conseguir enxergar em ambientes com pouca luz, fotofobia, visão dupla, dificuldade em ver as cores ou embaçamento do campo visual, entre outros.

Doenças inflamatórias

Algumas doenças infecciosas podem interferir na saúde ocular e, se não diagnosticadas e tratadas, podem levar à baixa de visão e até mesmo à sua perda.

A infecção causa uma inflamação local que compromete a retina. Algumas dessas doenças são:

  • toxoplasmose
  • toxocaríase
  • doença de Lyme
  • AIDS
  • herpes

A toxoplasmose pode afetar o feto ainda no útero da mãe. Para prevenção de cegueira permanente é essencial que a mulher realize um pré-natal completo.

Diagnóstico de Cegueira e perda de visão

Em todos os casos, o oftalmologista realizará testes de acuidade visual, biomicroscopia, exame de fundo de olho, medida de pressão intraocular e em alguns casos, exame de campo visual para avaliar visão periférica.

O exame oftalmológico consiste em avaliar qual a melhor visão de ambos os olhos com a melhor correção óptica. E caso a melhor visão de ambos os olhos não chegue a ter 100%, o oftalmologista realizará análise de cada estrutura ocular para investigar qual doença justifica a baixa de visão de cada paciente.

Prevenção e tratamento

A prevenção e o diagnóstico precoce são as melhores formas de evitar que as doenças oculares possam causar cegueira. Por isso, procure uma clínica especializada e se consulte frequentemente com o oftalmologista.

Aos 50 anos é preciso redobrar a atenção com a saúde dos olhos, pois é a partir dessa idade que as chances de entrar em um processo de perda de visão aumentam. Mas, independentemente da sua idade, não deixe de buscar uma maior qualidade de vida cuidando desse órgão tão importante.

Você se preocupa com a cegueira?

No dia 23 de julho, o Dr. Nelson Chammas quer conversar ao vivo com você sobre a saúde dos seus olhos e sobre a deficiência visual no Brasil. Não deixe de participar da Live da UPO!